Saúde

Tamanho da letra

Endometriose a doença da mulher moderna


 
Conhecida como a doença da mulher moderna e relacionada ao estilo de vida, a endometriose é caracterizada pelo endométrio - tecido localizado dentro do útero, que se desprende durante a menstruação – que fora da cavidade uterina representa a doença. Atinge cerca de 60% mulheres em idade reprodutiva, alerta a Ginecologista do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa, Emanuelli Alvarenga Silva que orienta as mulheres procurarem um médico quando tiverem cólicas muito fortes, com  resistência, que demorem a melhorar com remédios e as impeça de exercer as atividades diárias. A doença atinge mulheres a partir da primeira até a última menstruação, com mais intensidade nas com idade próxima aos 30 anos.
 
Alguns fatores contribuem para o aparecimento da endometriose como imunidade baixa, número de menstruações, genética, estilo de vida, sedentarismo, alimentação inadequada, estresse e ansiedade. Atualmente a mulher menstrua muito mais do que no começo do século passado, que menstruava mais tarde e engravidava mais cedo, tinha mais filhos e amamentava por longos períodos.

Entre os principais sintomas estão a dismenorréia – cólica menstrual - que muitas vezes ocorre de forma intensa, dor durante a relação sexual, fluxo menstrual irregular, dificuldade em engravidar, alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação.

Os sintomas da endometriose podem confundir o diagnóstico. Caso a doença se assente no ovário, o ginecologista poderá perceber o aumento dos ovários pelo toque. Se atingir a região que fica entre o útero e o intestino - endometriose profunda – a paciente sentirá dor durante o exame de toque quando a região for apalpada. Já quando a doença comprometer o peritônio - tecido que reveste a cavidade abdominal - ficará mais difícil estabelecer o diagnóstico pelo toque.

Depois do diagnóstico, análise da cavidade abdominal e verificação dos pontos comprometidos pela doença é necessário ressecar – se possível - os focos que se encontram nos ovários, trompas, útero, peritônio e intestino, por meio de laparoscopia ou medicamentos. Vale lembrar que a cirurgia deve ser bem avaliada pelo médico uma vez que os tratamentos com medicamentos resultam no controle dos sintomas e estabiliza a doença em fases iniciais.

Segundo a especialista a relação entre a endometriose e a infertilidade feminina pode manifestar-se em alguns casos. “Pacientes em estágio mais avançado da doença e obstrução na tuba uterina têm um fator anatômico que justifica a infertilidade. Questões hormonais e imunológicas também podem ser a causa para mulheres com endometriose não engravidarem. Após o tratamento, parte das pacientes conseguem engravidar, principalmente as mulheres em que as tubas não tiverem sofrido obstrução”, esclarece Drª. Emanuelli.

Em alguns casos, após o tratamento ou retirada de todas as lesões há possibilidades de a doença voltar, já que ela está ligada ao retorno da função menstrual. Em alguns casos é necessário o bloqueio da menstruação por certo tempo para que a paciente se recupere.

Os exercícios físicos ajudam a prevenir a endometriose, uma vez que a endorfina produzida com a atividade causa bem estar e diminui a produção de estrógenos.

As mulheres mais atingidas pela doença são aquelas que têm menos filhos, expostas ao estresse e que engravidam tardiamente, o que faz com que apresentem o estímulo do estrógeno por maior período.  

As adolescentes devem procurar o médico assim que apresentar algum sintoma, pois facilitam o diagnóstico precoce, já que neste período, os fluxos menstruais são irregulares, tanto quanto ao número de dias como em intervalo. As cólicas que incapacitam a paciente de ter uma vida normal, durante a mestruação, pode ser o primeiro sintoma da endometriose, que poderá levar à infertilidade na idade adulta.




Texto de: MP & Rossi


© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e
armazenamento por qualquer meio, total ou parcial ©
Copyright 1992 a 2014

As informações relacionadas à saúde, contidas neste site, tem caráter informativo, cultural e educacional.
O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação.
Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos.

IAOL, Jornal O Legado, Corpo e Mente, Momentos de Amor, Guia do Buscador,  e City Press são veículos de comunicação de propriedade da IAOL

IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380(11) 4411-6380 - geral4@iaol.com.br

Artigos Relacionados
:.
:.
:.
:.
:.
Comentários